A Feira de Minha Rua

De repente, dá-se a interrupção do silêncio.

A rua em que moro, dantes tranquila, com seu viver sossegado, é agora uma fusão de vozes, gritos e pregões. É a feira de todos os sábados, que principia a se instalar, ainda pela madrugada.

Não se sabe de onde vieram os feirantes que se encarapitam em cima dos caixotes e no alto dos caminhões. Sabe-se, apenas, que ali estão eles, cantarolando e pregoando seus vários produtos que se tornam num prazer para os nossos olhos e numa delícia para o estômago.

            Todas as donas de casa gostam de ir à feira e adquirir seus produtos: primeiro, a lista completa dos alimentos necessários para o sustento semanal; depois, o cuidadoso balanço da economia do lar, que requer perfeito equilíbrio. É preciso pesquisar preços, passar por várias barracas antes de adquirir as mercadorias, pois os preços variam muito de uma banca para outra e, mesmo assim, a dona de casa, às vezes, ainda precisará pechinchar para fazer baixar mais o preço das coisas. No entanto, a festa da feira impregna de entusiasmo os que vão e vêm diante dela, maravilhados com a variedade de frutas, legumes, hortaliças, e etc. expostas nas  dezenas de bancas montadas  com  apetitosos e  saborosos frutos. São as cédulas, ou moedas tão difíceis de conseguir, que vão sendo passadas  uma a uma na compra de caríssimos produtos. Esquecem-se as economias e, por um instante, até o problema da cruel carestia.  A dona de casa acaba por enganar a si própria, retornando da feira com a sacola cheia e a carteira  de dinheiro  vazia.

Dia de feira, afinal, dia das provisões semanais para a dona de casa, a quem cabe a responsabilidade de  cuidar da economia do lar, pesquisar preços antes de realizar qualquer tipo de compra, somar mais esforços, fazer mais sacrifício, ou como se usa  dizer, apertar mais e mais o cinto, para não estourar o orçamento  do mês, o que, em dias de hoje, será uma missão quase que impossível, pois, de fato, tudo está muito caro e fora de controle mesmo. 

1 Comentário

  • Link do comentário roberta aragao %PM, %26 %756 %2014 %14:%Mar postado por roberta aragao

    obrigada, por quem fez essa cronica, tirei um 10 por causa disso.

Deixe um comentário

Todos os Direitos Reservado - Fundação Biblioteca Nacional


Toda obra da autora exposta neste site possui registro na Fundação Biblioteca Nacional, é expressamente proibida a cópia e-ou a reprodução de todos textos deste Site, sem a prévia autorização da autora, por quaisquer meios ou processos existentes.